Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-settings.php on line 512 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-settings.php on line 527 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-settings.php on line 534 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-settings.php on line 570 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-includes/cache.php on line 103 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-includes/query.php on line 61 Deprecated: Assigning the return value of new by reference is deprecated in /home/httpd/htdocs/amantebr/blog/wp-includes/theme.php on line 1109 Clube Amantes da Ferrovia - Diário de Bordo » 2009 » março
Clube Amantes da Ferrovia

Clube Amantes da Ferrevia

Diário de Bordo

Arquivo de março, 2009

Trem dos Sonhos

31.03.2009 às 11h43 - por Lionandreas

Por ter nascido em um tempo em que o trem já havia perdido seu lugar para outros meios de transporte,andar de trem se tornou um sonho para mim. E a primeira vez foi algo mágico: Um trem com banquinhos de madeira da antiga RFFSA e um percurso lindo entre o Bairro de Fernão Velho, zona rural de Alagoas e a cidade de Maceió. Poucos meses depois fui a Recife e mal podia esperar para andar de metrô. A paixão pela fotografia me fez passar uma tarde inteira na Estação da Luz em São Paulo fotografando o vai e vem dos trens e seus usuários e escolhi uma delas para ser publicada e votada neste concurso.

Estação da Luz

Estação da Luz

Trem do Pantanal

27.03.2009 às 08h34 - por Soraia Souza Monteiro

Passei boa parte da minha vida viajando de trem entre Campo Grande e Corumbá, porque desde os meus dois anos morava no Rio e vinha visitar os parentes. E essa viagem era sempre uma festa, lembro-me das índias vendendo frutas, chipa e artesanato nas estações de Aquidauana e Miranda. Hoje sou Guia de Turismo em Campo Grande e estou diante da possibilidade de trabalhar no trem. A volta do Trem do Pantanal, pra nós que vivemos aqui é um grande presente.

Arquivado em Relato de Viagens

Rotunda

20.03.2009 às 08h43 - por pio.michelle

michelle_pio

Voltei no tempo ao fazer esse passeio de Maria Fumaça. Ele começou em São João Del Rei no embarque na pequena estação construída em 1881, para servir a Companhia de Ferro Oeste de Minas. Possui o mesmo estilo das estações mineiras edificadas no final do século XVIII e princípio do XIX.

Ao chegar em Tiradentes tirei esta foto da rotunda, manobra na qual os maquinistas invertem manualmente a posição da locomotiva na linha férrea para engatá-la novamente aos vagões e regressar a São João Del Rei.

Embora os maquinistas efetuem essa manobra de rotina logo após a chegada, muitos turistas deixam de apreciá-la por falta de informação.

Arquivado em Relato de Viagens

Saudades de um maquinista.

19.03.2009 às 09h33 - por Ivan Antonio da Rocha

Olhando para o passado.
Quando olho para as fotos que tirei no tempo em que fui maquinista a saudade é inevitável.
São sentimentos difíceis de explicar. Só mesmo quem trabalhou nisso consegue entender.
Olhando um trem passando é diferente. O sentimento de um maquinista dentro de uma locomotiva é outro. O som, a buzina, o trepidar de tudo quando se acelera, a sensação de potência, o barulho do turbo começando a trabalhar é indescritível. Disso tenho muita saudade. Das conversas entre colegas nos pernoites, os lugares que vi e que dificilmente vou ver novamente, porque nem estrada passa lá. A solidão a noite, depois que começamos a viajar sozinhos, o frio das geadas, o nascer do sol, o sono tentando nos derrubar, as intermináveis horas de viagem, o alívio ao ver o destino. As quebras durante a viagem, as tentativas de arrumar a locomotiva, o cheiro de diesel, a fuligem em nossas roupas e rosto.
Os acidentes ocorridos, um a um lembramos. Os carros passando a nossa frente e escapando por um triz. Outros não. Vacas, cavalos, lebres, veados…… pessoas. Que maquinista não lembra? A primeira viagem, o primeiro dia no comando, as aulas práticas, o dia do teste para passar a pronto, a primeira viagem como maquinista…. Saudades eternas.

Olhando para traz.

Olhando para traz.

Arquivado em Relato de Viagens

O abandono de Trem de passageiros

18.03.2009 às 08h42 - por Luciano Marcos de Araujo

Estação de Bauru-SP

Estação de Bauru-SP

Arquivado em Relato de Viagens

Viaje Madri-Ourense

10.03.2009 às 16h08 - por Cristina

Estación de Tren de Ourense

Estación de Tren de Ourense

Em dezembro de 2007, realizei minha sonhada viagem à terra de meus antepassados, a Espanha. Essa viagem durou 18 dias e pude percorrer alguns lugares entre Espanha e Portugal em trem. Em especial, comentarei a viagem de Madri a Ourense, capital de mesmo nome da província. Saí à tarde, por volta das 14h, da Estação de Trem Chamartín, com direção a Ourense. A viagem demorou cerca de 6 horas e 15 minutos. Belas paisagens encontrei no trajeto - planície, montanhas, cidades. O trem é maravilhoso, mais parecendo um avião. Muito limpo, aconchegante e moderno. Infelizmente, em nosso país, não temos uma malha ferroviária abastada, o que muitas vezes nos impede de conhecer e usufruir dos lugares lindos que temos. Na Europa, a maioria das pessoas utiliza esse tipo de transporte, por ser seguro, confortável e limpo, atendendo muitos pontos do país.

Arquivado em Relato de Viagens

Milimetros

às 16h06 - por celsoricardo

milimetros para o chão

milimetros para o chão

Uma vida viajando

02.03.2009 às 08h51 - por Luciana Caldas Zetum

Cresci dentro de um trem.
Moro em Vila Velha e meus avós moram em Aimorés-MG. Por isso andar de trem faz parte da minha infância, da minha adolescência e da minha vida adulta. Rapidez e conforto, além do preço em conta são as maiores vantagens para mim.

O visual do Rio Doce acompanhando o trilho, os túneis, as cidades antigas e com nomes curiosos. O trecho que já sei de memória e que passei uma vida indo e voltando.

Dia de viagem é assim, você acorda cedo, corre para a a estação onde toma um cafezinho com leite na cantina, compra o jornal, um pacote de biscoito e senta para esperar o momento dele dar “partida”.

As passagens em mangues, rios/pontes, túneis e rios são os meus momentos preferidos. Gosto quando ele para nas cidades, comer a imensa rosca de polvinho em Aricanga, ter sorte em comprar uma sacola de mixirica pocã em Mascarenhas, mas espere até Aimorés para comprar manga(isso se os menininhos conseguirem driblar a fiscalização ferrenha, senão compre pelo menos perto de Aimorés), lá as mangas são as melhores(pra quem gosta :P).

Evitem comprar litros de água em garrafas Pets, apesar de serem mais baratas do que água mineral, não são confiáveis. Não propositalmente, mas a água mineral que uma comunidade bebe pode conter microorganismo que não estamos acostumados e com isso podemos acabar conhecendo mais vezes que o normal o banheiro do trem.
A chegada é linda. Aimorés é uma cidadezinha maravilhosa(tudo bem, sou tendenciosa sim), a estação é super bem trada e o visual do Rio Doce que se tem da Beira Rio é um dos melhores de toda a margem dele. O POR DO SOL em Aimorés é a coisa mais linda que já vi, é emcocionante ver o sol se escondendo a a Pedra Lorena ( precisam conhecer a lenda da índia que se apaixonou por um homem branco) ali pertinho.

Bem, por enquanto é o que tenho para contar da viagem, espero que esse relato tenha feito sentirem pelo menos curiosidade em conhecer essa viagem maravihosa, já viajei BH-Vitória e Vitória-BH várias vezes quando estudei lá. Mas esse trecho até Aimorés é o que me emociona mais, apesar da saída de Belo Horizonte ter um visual espetacular.
Fico por aqui.

Luciana

Este é o trêm passando pelo pontilhão de Aimorés, fiquei lá horas esperando ele passar para tirar essa foto. Queria que ele tivesse passado no pontilhão antigo, mas tudo bem. Quase que perco ele ainda! rsrsrs

Este é o trem passando pelo pontilhão de Aimorés, fiquei lá horas esperando ele passar para tirar essa foto. Queria que ele tivesse passado no pontilhão antigo, mas tudo bem. Quase que perco ele ainda! rsrsrs

Homenagem

às 08h48 - por elias

O sonho de meus pais era fazer um passeio de trem para relembrar a época em que essa atividade era uma dos principais meios de transportes desse Brasil imenso.
Para presenteá-los dei um presente, uma viagem de trem de Curitiba a Morretes. Inesquecível.
Papai João, Mamãe Aureluce obrigado por tudo o que fizeram por mim, amo vocês e esse presente nunca irei esquecê-lo que vivemos esse momento juntos.
Um grande beijo no coração,
Seu filho Elias, Sua Nora Karina, Seus netos, Bárbara e Neto

João Carlos e Aureluce

João Carlos e Aureluce

Arquivado em Relato de Viagens

Consegui Fotografar o Canyon

às 08h47 - por elias

Essa foto compartilho com todos que não conseguiram o tempo exato para esse momento mágico e tão rápido. Eu consegui e divido com todosO Canyon cortado pelo Rio Ypiranga

Arquivado em Relato de Viagens
 
Clube Amantes da Ferrovia
Av. Pres. Affonso Camargo, 330 - Estação Ferroviária
Curitiba-PR - Fone (41) 3888-3488

Powered by WordPress
Posts(RSS) e Comentários (RSS).

Por Polvo Tecnologia e Comunicação